sábado, 1 de setembro de 2018

A PALAVRA GAÚCHO - SIGNIFICADO



O QUE SIGNIFICA A PALAVRA “GAÚCHO
 Segundo o Dicionário de Regionalismo do Rio Grande a palavra Gaúcho significa:
Habitante do Rio Grande do Sul, dedicado à vida pastoril e perfeito conhecedor das lides campeiras, Habitantes da Argentina e do Uruguai, da região de campanha, com origem e costumes assemelhados aos dos rio-grandenses. Primitivamente: Changador, gaudério, ladrão, contrabandista, vagabundo, coureador, desregrado, andejo. Índio ou mestiço, maltrapilho, sem domicílio certo, que andava, de estância em estância, trabalhando em serviços que fossem executados a cavalo. Remanescentes de tribos guerreiras que habitavam a Argentina, o Uruguai e o Rio Grande do Sul, às vezes amestiçados com portugueses e espanhóis, nômades, hábeis cavaleiros, extremamente valentes, desprendidos de tudo, inclusive da vida, valorosos, leais, hospitaleiros, ocupados alguns com as lides da vida pastoril primitiva, outros com roubos de gado ou contrabando, e outros, ainda, a maioria transitoriamente, com a vida militar em que exerciam funções de bombeiros, de chasques, arrebanhadores de gado e de cavalos, de vaqueanos, de isca para o inimigo, ocupando postos que variavam de soldado raso a general.
Já na minha opinião hoje temos alguns tipos de gaúchos, os principais são estes:
      O Gaúcho Legitimo: É aquele nascido na Argentina, Uruguai e no Rio Grande do Sul, e que preserva costumes como o habito de matear ao pé do fogo de chão ou no próprio fogão a lenha, o uso da bombacha, entre outros costumes peculiares do gaúcho, isto no seu dia a dia, sem distinção do dia da semana. Acostumado ao sistema rude da lida campeira, da mão calejada de trabalhar a terra, e de lidar com gado e cavalo.
O Gaúcho de Tradição: É todo aquele que não importando estado país de nascimento, cor, raça, ou que vive no campo ou cidade, mas que veste uma bombacha, encilha um pingo no fim de semana e vai para um rodeio laçar, ginetear, dançar num fandango, matear com os amigos nas noites de rodeio, formando verdadeiras cidades de lona, onde todos são amigos e irmãos, com um objetivo em comum, Manter Viva a Nossa Cultura Gaúcha. Mas não é só isto que faz um vivente ser um Gaúcho, o verdadeiro “Gaúcho” em qualquer lugar, dia, hora, orgulha-se e bate no peito e diz em alto e bom tom que “Orgulha-se de Ser Gaúcho”.
O Gaúcho de Fim de Semana ou Gaúcho de Loja: Este por sua vez é o que mais temos, pois é todo aquele que simplesmente se pilcha no final de semana pra ir para algum bailezinho e somente isto, este por sua vez quando convidado para usar a pilcha fora do salão de baile, ou se nega ou comete a maior ofensa para o gauchismo, diz que tem vergonha de andar na rua pilchado, normalmente inventa moda na nossa indumentária. Mas estes “gaúchos” até certo ponto têm seu valor, pois dentre destes acabam surgindo grandes tradicionalistas!
O ser GAÚCHO não é como muitos pensam, vestir uma bombacha e calçar uma bota apenas, mas sim um estado de espírito e um estilo de vida, que mesmo para aqueles que vivem na cidade, apreciam as coisas simples da vida do campo.
Tradição gaúcha não é moda, mas sim história e costumes de um povo, e por isto é fundamental o respeito e não cairmos nas tentações do modismo que vem de certa forma 
“Bagunçando a Tradição Gaúcha”.

DIALETO GAÚCHO

   Vocábulos locais
  • ancinho = rastilho, rastelo, ciscador, catador de folhas
  • apanhar = surra, espancar
  • aprochegar = aproximar-se, chegar perto
  • aspa = chifre
  • aspaço / aspada = chifrada
  • atucanado ou tuquiado = atrapalhado, cheio de problemas ou irritado
  • avio = isqueiro
  • azulzinho = guarda de trânsito
  • baita = grande, crescido; (Se usa em outras partes do Brasil)
  • bagual = excelente, bom, ótimo ou cavalo xucro
  • bergamota = tangerina
  • bochincho = festa informal
  • bodoque / funda = estilingue
  • bolicho = boteco, botequim
  • borracho = bêbado
  • branquinho = beijinho (doce), porém sem coco
  • brigadiano = policial da Brigada Militar (corporação equivalente à Polícia Militar)
  • cacetinho = pão francês
  • campear = procurar, ir em busca de algo
  • cancheiro = pessoa que tem experiência e/ou habilidade em alguma coisa
  • capaz = de jeito nenhum, não, de forma alguma.
  • carpim = meia
  • casamata = banco de reservas (futebol)
  • chapa = radiografia ou dentadura
  • chavear = trancar com a chave
  • chimia = geleia de frutas
  • china = à-toa, mulher
  • chinoca = guria que se pilcha de bota e bombacha ao invés do vestido de prenda, prenda que passou dos 30 anos.
  • chinaredo = bordel; onde fica o chinaredo
  • chinchado = cheio, satisfeito, farto
  • chinelagem = expressão para comportamento despojado, decadente, brega ou desajeitado, ou ainda ato ou objeto de gosto duvidoso ou popular (no sentido de brega). No Nordeste a expressão "fuleragem" tem o mesmo significado.
  • chinelão = pessoa que pratica a chinelagem
  • colorado = torcedor do Sport Club Internacional
  • cuecão = ceroula
  • cuia (para mate) = suporte para a erva-mate
  • cupincha = camarada, companheiro, amigo (Em outras regiões essa expressão também é usada no mundo do crime, sendo sinônimo nesse caso a comparsa, capacho ou jagunço)
  • cusco = cachorro, cão pequeno
  • entrevero = mistura, desordem, confusão de pessoas, briga
  • faceiro = alegre, contente
  • fatiota = terno
  • folhinha = calendário
  • gaudério = homem do campo (gaudério não é sinônimo de gaúcho, como erroneamente dizem)
  • goleira = baliza (campo de futebol)
  • gremista = torcedor do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense
  • guaipeca / guadéra = cachorro vira-lata
  • guaiaca = espécie de pochete de couro
  • guampa = chifre
  • guri = menino, garoto (Se usa em outras partes do Brasil)
  • guria = menina, moça (Se usa em outras partes do Brasil)
  • inticar = provocar
  • lancheria = lanchonete
  • laço = apanhar, surra
  • lomba = ladeira
  • macanudo = forte, encorpado, usado tanto para pessoas quanto para objetos
  • matear = tomar erva-mate
  • melena = cabelo
  • minuano = vento vindo do sul que traz as massas gélidas do Polo Sul
  • negrinho = brigadeiro (doce)
  • pandorga = papagaio, pipa
  • parelho = liso, homogêneo, igual
  • patente = vaso sanitário
  • pebolim = totó, fla-flu
  • pechada = batida (entre automóveis), trombada
  • pedro e paulo = dupla de policiais militares
  • peleia = briga
  • piá = guri, menino
  • pila = palavra regional que dá nome a moeda nacional, no caso o Real (ex: 10 pila, 25 pila - usa-se sempre no singular)
  • pingo ou matungo = cavalo
  • pousar = dormir na casa de outrem
  • prenda = mulher do gaúcho
  • quebra-molas = lombada
  • rabicó = gominha de cabelo
  • remolacha = beterraba
  • roleta = catraca
  • rótula = rotatória, redondo
  • sestear = dormir depois do almoço
  • sinaleira = semáforo
  • talagaço = golpe
  • taura = o mesmo que macanudo (valente)
  • tchê = interjeição que se encaixa em praticamente qualquer frase ou situação (ver "Interjeições típicas")
  • terneiro = bezerro
  • topinho = lacinho; laço
  • trava = freio, breque
  • tri = prefixo que significa "muito" (ex.: tri legal, tri bonita), ou simplesmente "legal" (ex.: é tri)
  • veranear = passar o verão
  • vivente = criatura viva, pessoa, indivíduo
  • xavante = torcedor do Brasil de Pelotas
  • xiru = índio ou caboclo. Na língua tupi quer dizer "meu companheiro"
  • xis = hambúrguer

Expressões locais

  • aguentar o tirão = suportar as consequências ou uma situação difícil
  • andar pelas caronas = andar mal, estar em dificuldade
  • arrastar a asa = enamorar-se
  • bem capaz = ênfase na negação.
  • botar os cachorros = xingar, ofender alguém
  • dar com os burros n'água = dar-se mal, ser mal sucedido
  • deitar nas cordas = fazer corpo mole
  • de rédeas no chão = entregue, submisso, apaixonado
  • de valde = de balde, em vão
  • de vereda = imediatamente, já
  • é tiro dado e bugio deitado = acertar de primeira; ter certeza do que faz
  • entregar as fichas = ceder, concordar
  • estar com o diabo no corpo = estar furioso, insuportável
  • faceiro que nem gurí de calça nova = muito contente, alegre
  • faceiro que nem gordo de camisa nova = o mesmo do item anterior
  • faceiro que nem égua de dois potrios = o mesmo do item anterior
  • frio de renguear cusco = frio tão intenso que pode deixar um cachorro mancando
  • índio velho = camarada
  • ir aos pés = fazer as necessidades na patente
  • juntar os trapos = casar, viver junto
  • lamber a cria = mimar o filho
  • lagartear = ficar sem fazer nada, ao sol
  • matar cachorro a grito = estar sem dinheiro, estar na miséria, viver com dificuldade
  • me caiu os butiá dos bolso = ficar de queixo caído, espantado
  • meter a viola no saco = calar-se, desistir, acovardar-se
  • morar para fora = morar no campo (fazenda, sítio ou vila pequena)
  • na ponta dos cascos = pisando em ovos/ preparado, pronto - na ponta dos cascos - refere-se a cavalo que está pronto para corrida (favorito)
  • no mato sem cachorro = em dificuldade, em apuros
  • olhar de cobra choca = olhar dissimulado
  • se aprochegar = chegar mais próximo, se acomodar
  • sentar o braço = surrar, espancar, esbofetetar, bater
  • terneiro guacho = tomador de leite
  • tunda de laço = apanhar

Interjeições típicas

  • Bah! = Puxa!, Nossa!, Que coisa! - é primariamente, uma interjeição de espanto, mas pode ter outros usos, como, por exemplo, mostrar hesitação ao iniciar uma frase.
  • Tchê! = Expressão utilizada para enfatizar a oração. Assim como Bah pode ser utilizado para muitas coisas, como por exemplo, Tchê, ganhei na loteria!.
  • Mas que barbaridade! = Que coisa! - é uma interjeição que indica indignação.
  • Capaz? = É mesmo?, Imagina! - indica espanto e dúvida ao mesmo tempo quanto ao que a pessoa acabou de ouvir.
  • Bem Capaz! = Com uma entonação típica, significa "De jeito nenhum".
  • Que tri! = Que legal!
  • A la pucha! = Interjeição de surpresa que enaltece o que se escutou, como por exemplo, Mas a la pucha que pala bela!

Algumas comparações

No Rio Grande do SulTu pegou algumas frutas?
No Rio Grande do SulMas que "guri" ligeiro esse!
Há diferenças também nas próprias regiões do Rio Grande do Sul, por influência da colonização:
  • Na cidade de Porto AlegreBah! Tu viu que o cara cuspiu no chão?
  • Na cidade de PelotasBah! Tu viste que o cara pulou a cerca?

ORIGEM DO CAVALO CRIOULO

O Cavalo Crioulo


                          Resultado de imagem para equador de santa edwiges              

O cavalo Crioulo tem sua origem nos equinos Andaluz e Jacas espanhóis, trazidos da península ibérica no século XVI pelos colonizadores. Estabelecidos na América, principalmente na Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai, Peru e sul do Brasil, muitos desses animais passaram a viver livres, formando manadas selvagens que, durante cerca de quatro séculos, enfrentaram temperaturas extremas e condições adversas de alimentação. Essas adversidades imprimiram nestes animais algumas de suas características mais marcantes: rusticidade e resistência. Em meados do século XIX, fazendeiros do sul do continente começaram a tomar consciência da importância e da qualidade dos cavalos que vagavam por suas terras. Esta nova raça, bem definida e com características próprias, passou a ser preservada, vindo a ganhar notoriedade mundial a partir do século XX, quando a seleção técnica exaltou o seu valor e comprovou suas virtudes.  Em 1932, foi fundada a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos - ABCCC, com a missão de preservar e difundir o cavalo Crioulo no país.   Cinquenta anos depois, a prova do Freio de Ouro veio para ficar, tornando-se uma importante ferramenta de seleção, uma vez que motivou a otimização da raça, tanto morfológica quanto funcionalmente. A transmissão da prova pela televisão aumentou a visibilidade do cavalo Crioulo, cujo universo movimenta anualmente R$ 1,28 bilhão. Hoje são mais de 400 mil animais distribuídos em 100% do território nacional.

PÓDIO DA NACIONAL DE PALETEADA EXPOINTER 2018

          Pódio formado na Final Nacional de Paleteada




1º lugar: Pablo Rodrigues com Neruda do Boeiro e Mauricio Costa com PP Presnte da Renascer


2º lugar: Francisco Martins Bastos Sobrinho montando Abagualada do Barulho e Carlos Félix montando La Passion Estrela


3º lugar: Felipe Weber montando Milonga do Ouriço e Pedro Carvalho montando Faceiro do Ouriço









FINAL PALETEADA EXPOINTER 2018

                  Pódio formado na Final Nacional de Paleteada







Expectativa até o último boi e debaixo de muita chuva. Parece que o cenário se repete quando o assunto é Paleteada, principalmente na Final Nacional da modalidade, no Parque Assis Brasil, em Esteio/RS. Foi assim que as 63 duplas participantes fecharam o ciclo 2018, nos dias 30 e 31 de agosto, consagrando Pablo Rodrigues, montando Neruda do Boeiro, e Mauricio Costa, montando PP Presente da Renascer, como campeões. 
Para formar um time de 70 duplas classificadas à grande final, 2620 animais disputaram 49 credenciadoras e 3 classificatórias (Alegrete, Bagé e Osório) - 60 no Rio Grande do Sul, cinco de outros estados do Brasil, duas do Uruguai, o campeão da modalidade do ciclo 2017 e, por fim, campeão e vice da Força B. 
Com um número crescente de adeptos, a Paleteada foi vista como alvo de muita evolução pelos jurados Júlio César Hax e Thiago Persici, que além de já terem marcado presença no julgamento nos anos de 2014 e 2015, ainda têm a experiência do lado de dentro das pistas, como competidores da corrida do boi. “Foi uma grande inovação ter incluído a retomada. Eram dois bois, agora são quatro. E realmente a retomada é um grande diferencial. A evolução é muito rápida de um ano para o outro, e eu acho que vamos ter algumas modificações para dificultar um pouco mais", opinou Persici. 
O crescimento da prova foi atestada também por Júlio César Hax. “Eu acredito que evoluiu muito. Hoje o grau de exigência da prova está muito grande e com o passar do tempo os competidores foram se adequando com um novo sistema e a prova foi hoje, na final, que a maioria conseguiu paletear com retomada e bem”, finalizou Hax. 
Ainda em pista, presenças que chamaram a atenção: Luiz Alberto Martins Bastos, que nos dias anteriores julgava a categoria machos da Morfologia da Expointer; Gabriel Marty, ginete de Colibri Matrero, que correu o Freio de Ouro - recebendo o Freio de Bronze 2018 - além dos ginetes que subiram no lugar mais alto do pódio. 
A dupla campeã formada por Pablo Rodrigues e Mauricio Costa, que montaram Neruda do Boeiro e PP Presente da Renascer, respectivamente, formou-se poucos dias antes da Final Nacional. Originalmente participaria da prova a dupla formada por Pablo Rodrigues e George Arthur Larré, que precisou desistir da disputa por problemas de saúde. 
Com um 1º lugar na Final Nacional de Paleteada de 2016 na bagagem, Mauricio Costa foi o nome escolhido para completar a dupla. “Graças a Deus eu tava tendo a honra de correr ao lado de um campeão nacional e tivemos a sorte de a gente se acertar e o improviso deu certo”, finalizou Pablo Rodrigues. 
Para Mauricio Costa, a amizade pesou a favor do convite recebido. “Aceitei porque são grandes amigos meus e não tem como dizer ‘não’ a grandes amigos. Sabendo que estavam passando por dificuldades por motivo de saúde, não teria como deixar de fora o grande sonho deles”, comentou Mauricio. 
Organizado pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), o circuito de Paleteada conta com o patrocínio de Banrisul, Supra, Vetnil, Nissan e Biscoitos Zezé. O evento teve ainda a supervisão técnica de Felipe Caccia Maciel, técnico credenciado à ABCCC.

Confira o resultado:

1º lugar
Pablo Rodrigues montando Neruda do Boeiro e Mauricio Costa montando PP Presente da Renascer
2º Lugar
Francisco Martins Bastos Sobrinho montando Abagualada do Barulho e Carlos Félix montando La Passion Estrela
3º Lugar
Felipe Weber montando Milonga do Ouriço e Pedro Carvalho montando Faceiro do Ouriço
Selo de Raça
Kaká da Tradição
 Melhor Égua de Paleteada
Milonga do Ouriço